Outono..



Nossa existência é transitória como as nuvens do outono.
Buda

É curioso perceber como as mudanças de estações nos influenciam e como mudamos, ou não, com elas.
Recordei-me que nessa época, há um ano atrás, me sentia bastante entristecida.
Em uma conversa rotineira com uma amiga – quando ela me perguntou como eu estava e respondi que me sentia triste e estranha – ela me alertou que estávamos no outono, época em que as folhas caem, e aquilo fez todo sentido pra mim!
Naquele momento eu não queria mudanças, queria que tudo continuasse como estava. Mas era outono e a natureza exigia transformações!

Agora é outono novamente e é engraçado perceber como, um ano depois, a estação chega a mim de uma forma totalmente diferente... Me sinto alegre e leve.
Dessa vez o outono não me trouxe incômodos!
Afinal estou em um momento de vida em que muitas transformações já estão acontecendo, como se metaforicamente todas as folhas já estivessem voando...

Essa vivência me fez refletir, pois sempre entendi o outono como uma etapa de recolhimento.

“Na natureza, as folhas caem como de uma estratégia da planta para se proteger do frio reduzindo ao máximo seu gasto de energia. As folhas caem, e então sem precisar alimentá-las a árvore pode usar a energia para seu próprio aquecimento.”

Refleti... Refleti... Refleti...
E percebi que o outono propõe sim uma fase de mergulho em si e fortalecimento, mas não necessariamente um isolamento!
Talvez a pergunta mais pertinente seja:
Em que momento da vida o outono me encontra?

Uma borboleta amarela?
Ou uma folha seca
Que se desprendeu e não quis pousar?
Mario Quintana

Percebo agora que o outono não é marcado pela tristeza e o isolamento, como muitas vezes parece. Pode ser que isso aconteça quando está difícil desapegar-se de situações da vida (pessoas, sentimentos, bens, estereótipos). Tentar segurar uma folha seca (que já está morta!!) no galho, certamente trará bastante sofrimento!

Mas se é possível aceitar o convite do outono à mudança, pode ser que ele ‘se chegue e se aconchegue’ com alegria e suavidade...

Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
Cecília Meireles


Quem sabe possamos deixar voar por ai algumas reflexões de outono...

Como o outono chega até mim?

Estou no fluxo ou na estagnação?


É possível deixar algumas folhas caírem para que novas possam nascer?

Julia Tourinho